quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Episódio 3: Sobre arepas, saludos e busetas (Bogotá)

Bogotá foi, definitivamente, uma cidade que me conquistou aos poucos. Agora, já longe dela, tenho vontade de voltar.

A proximidade a linha do Equador e a altitude dos Andes garantem um clima frio e chuvoso durante todo o ano. Funciona mais ou menos assim: sol pela manha, tempo nublado a tarde, chuva de tardinha e muito frio a noite. Isso, obviamente, garante a cidade uma atmosfera de inverno constante - o que faz as pessoas consideravelmente mais chiques e bem vestidas. Andei vendo muitos cachecóis, boinas e sobretudos por lá.

Uma rua qualquer da Candelaria, bairro de Bogotá.

Eu fiquei me perguntando se sao esses ares de inverno que fazem as pessoas tao polidas por lá. Acho que nao - já em outras regioes mais quentes da Colombia, percebi que a boa educacao é a regra número um de todo filho dessa terra. Boa educacao que tambem é sinonimo de formalidade: por aqui, voce nao simplesmente pede uma informacao. Dá bom dia, pergunta como a pessoa vai, faz a sua pergunta e depois ainda pede por favor. Informacao recebida, voce agradece e deseja que a pessoa passe bem.

Em uma dessas conversas inesquecíveis com um vendedor do mercado de pulgas.

É claro que essas conversas ocasionais, vez ou outra, me levaram as gargalhadas. O motivo - os (vários) falsos cognatos que encontramos por aqui. Uma palavra muito corriqueira, por exemplo, é a buseta (pronunciada como o palavrao brasileiro. Nao se preocupem - pegar a buseta aqui nada mais é que entrar em um onibus. Mais legal ainda: se gostar do passeio, pode falar que voce gozou. Gozar, aqui, nada mais é que aproveitar.

Eu e Lina (Colombia), com uma autentica buseta colombiana.

E por falar em aproveitar, a comida colombiana é deliciosa. Dá pra gozar muito! Por aqui, o corrente sao as arepas (uma espécie de panqueca de milho que pode vir com toda espécie de recheio), os patacones (uma massa de banana prensada deliciosa) e muita carne acompanhada de arroz. Os feijoes sao enormes - e deliciosos - e há sempre uma boa variedade de frutas por todo canto. E, claro, nao poderiamos deixar de falar do café. Esse é um espetáculo a parte, que pode ser conferido em qualquer unidade do Juan Valdez Café, como nessa aqui, do Centro Cultural Garcia Marquez.


Por fim, Bogotá se mostrou um lugar extremamente especial por uma coisa: as pessoas. Nos cinco dias que fiquei por lá, consegui fazer vários amigos e viver momentos inesquecíveis. Foram horas de piadas e trocadilhos com as busetas brasileiras, muita conversa séria sobre o jeito colombiano de ver o mundo e uma troca realmente intensa de experiencias. Viajar é isso.

Colombianos, brasileiros, americanos e franceses na Tienda de Céci.

E também é estar aberto ao imprevisível. No próximo episódio, a minha chegada a Medellín, como uma companhia aérea mudou a minha vida e a minha alegria ao rever rostos conhecidos.

4 comentários:

  1. Oi Tiago, tô adorando sua viagem, curtindo tudo. Me deu uma baita vontade de conhecer Bogotá. Muito hilário estes trocadilhos com estas palavras, que pra nós têm um significado muito diferente.
    Bjos.

    ResponderExcluir
  2. Acho que depois de tudo isso que vc ta vivendo nessa viagem o mínimo que poderia acontecer é vc escrever um livro. Vai fazendo essa ideia se realizar. Abraços. Déia (continuo com meu acento no é)

    ResponderExcluir
  3. te voy a matar y te lo digo en español pero una cosa si es segura que esta buseta colombiana es de las mejores , besos tiago de la dueña de la buseta por cierto pagame derechos de imagen, ya me salio lo abogada ;-)

    ResponderExcluir
  4. Adorei a sua escrita! Vou te seguir! :)

    ResponderExcluir

Fique à vontade para deixar o seu recado para mim. E não se esqueça de deixar um contato para que eu possa respondê-lo.